Hoje vi(vi) um filme

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Sugestão da Semana #302

Das estreias da passada Quinta-feira, a Sugestão da Semana destaca Derradeira Viagem, de Richard Linklater. O filme é protagonizado pelo trio Bryan Cranston, Laurence Fishburne e Steve Carell.

DERRADEIRA VIAGEM


Ficha Técnica:
Título Original: Last Flag Flying 
Realizador:  Richard Linklater
Actores: Bryan Cranston, Laurence Fishburne e Steve Carell
Género: Comédia, Drama, Guerra
Classificação: M/14
Duração: 125 minutos

Crítica: Star Wars: Os Últimos Jedi / Star Wars: The Last Jedi (2017)

"I've seen this raw strength only once before. It didn't scare me enough then. It does now."
Luke Skywalker

*8/10*

A Força está com Rian Johnson e com Star Wars: Os Últimos Jedi, um filme emotivo desde o início, ou não fosse o último de Carrie Fisher enquanto a eterna Princesa Leia. Por outro lado, neste novo capítulo da saga, Rian Johnson segue um caminho ligeiramente diferente do seu antecessor. Cria excelentes momentos de humor, a par de uma história com bons plot twists e dá profundidade psicológica às personagens, desde as principais às secundárias.


São duas horas e meia que passam a voar na sala de cinema mesmo que este seja o capítulo mais longo da saga que, por coincidência, completa 40 anos este ano. Star Wars: Os Últimos Jedi é uma excelente forma de comemorar a data.

O filme de Rian Johnson continua a história de Star Wars: O Despertar da Força, de J.J. Abrams, e segue a luta da Resistência contra o Líder Supremo Snoke e sua Primeira Ordem, que tentam controlar a galáxia. Rey (Daisy Ridley) encontra-se com Luke Skywalker (Mark Hamill) e está determinada em convencê-lo a voltar para a Guerra contra o lado negro da Força.


A saga continua, desta feita com um argumento bem construído e cativante, para fãs ou simpatizantes. O bem e o mal continuam a sua luta pela vitória e todos querem o poder. É difícil chegar ao equilíbrio perfeito com o medo - que muito condiciona e faz ter atitudes impulsivas - e a raiva - faz esquecer a ponderação e os limites - a comandar, e quase todas as personagens deste filme o provam. À partida, os Jedi estão do lado dos bons mas também têm fraquezas e Star Wars: Os Últimos Jedi chegou para fazer revelações inesperadas e surpreender.


Rian Johson foi especialmente competente ao desenvolver cada personagem, dar-lhe uma história, um propósito, uma personalidade bem definida. A par disto, a relação entre personagens torna-se mais rica, mais genuína, com Rey e Kylo Ren a causar especial impacto na plateia. Adam Driver é sóbrio e convincente na pele desta personagem tão complexa e cheia de dúvidas.

Laura Dern e Benicio Del Toro são as duas participações que dão um pouco do seu brilho ao filme - Dern, especialmente, com um papel forte para o desenrolar da trama. Todos os enredos paralelos são construídos e bem encaixados no ritmo da longa-metragem, com opções de montagem muito dinâmicas.


A banda sonora traz de volta o veterano John Williams que tem sabido acompanhar a saga da melhor forma. A fotografia é potenciada pela opção de filmar em película, com a luz a fazer-se notar quase como personagem, em especial, mais perto do final da longa-metragem, onde as cores - o vermelho abunda sobre o branco - são outro ponto forte. 

Daisy Ridley e John Boyega os estreantes do filme anterior continuam o percurso mediano, com a actriz a mostrar que tem muita garra, Mark Hamill regressa com uma importância enorme e é um prazer voltar a vê-lo, Adam Driver mostra-se cada vez mais forte na pele de Kylo Ren, uma das personagens mais complexas e interessantes dos novos filmes, Carrie Fisher tem o tempo de antena merecido neste filme que é em sua homenagem e Oscar Isaac vê a sua personagem ganhar maior relevância na história e mostra o seu carisma.


Star Wars: Os Últimos Jedi respeita os 40 anos de História da saga e sabe, ao mesmo tempo, distinguir-se e inovar. Rian Johnson dá continuidade ao universo Star Wars com originalidade e é capaz de surpreender todos os fãs. 

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Globos de Ouro 2018: Os Nomeados

Foram esta tarde anunciados os nomeados para a 75.ª edição dos Globos de Ouro. Seth Meyers será o anfitrião da cerimónia de entrega dos prémios, no próximo dia 7 de Janeiro de 2018.


Conhece quem está na corrida nas categorias de cinema.

Melhor Filme - Drama
Call Me by Your Name
Dunkirk
The Post
The Shape of Water
Three Billboards Outside Ebbing, Missouri

Melhor Actriz - Drama
Jessica Chastain, Molly’s Game
Sally Hawkins, The Shape of Water
Frances McDormand, Three Billboards Outside Ebbing, Missouri
Meryl Streep, The Post
Michelle Williams, All the Money in the World

Melhor Actor - Drama
Timothée Chalamet, Call Me by Your Name
Daniel Day-Lewis, Phantom Thread
Tom Hanks, The Post
Gary Oldman, Darkest Hour
Denzel Washington, Roman J. Israel, Esq.

Melhor Filme - Comédia ou Musical
The Disaster Artist
Get Out
The Greatest Showman
I, Tonya
Lady Bird

Melhor Actriz - Comédia ou Musical
Judi Dench, Victoria & Abdul
Helen Mirren, The Leisure Seeker
Margot Robbie, I, Tonya
Saoirse Ronan, Lady Bird
Emma Stone, Battle of the Sexes

Melhor Actor - Comédia ou Musical
Steve Carell, Battle of the Sexes
Ansel Elgort, Baby Driver
James Franco, The Disaster Artist
Hugh Jackman, The Greatest Showman
Daniel Kaluuya, Get Out

Melhor Filme de Animação
The Boss Baby
The Breadwinner
Coco
Ferdinand
Loving Vincent

Melhor Filme Estrangeiro
A Fantastic Woman
First They Killed My Father
In the Fade
Loveless
The Square

Melhor Actriz Secundária
Mary J. Blige, Mudbound
Hong Chau, Downsizing
Allison Janney, I, Tonya
Laurie Metcalf, Lady Bird
Octavia Spencer, The Shape of Water

Melhor Actor Secundário
Willem Dafoe, The Florida Project
Armie Hammer, Call Me by Your Name
Richard Jenkins, The Shape of Water
Christopher Plummer, All the Money in the World
Sam Rockwell, Three Billboards Outside Ebbing, Missouri

Melhor Realizador
Guillermo del Toro, The Shape of Water
Martin McDonagh, Three Billboards Outside Ebbing, Missouri
Christopher Nolan, Dunkirk
Ridley Scott, All The Money in the World
Steven Spielberg, The Post

Melhor Argumento
Guillermo Del Toro, Vanessa Taylor, The Shape of Water
Greta Gerwig, Lady Bird
Liz Hannah, Josh Singer, The Post
Martin McDonagh, Three Billboards Outside Ebbing, Missouri
Aaron Sorkin, Molly’s Game

Melhor Banda Sonora Original
Three Billboards Outside Ebbing, Missouri
The Shape of Water
Phantom Thread
The Post
Dunkirk

Melhor Canção Original
“Home,” Ferdinand
“Mighty River,” Mudbound
“Remember Me,” Coco
“The Star,” The Star
“This Is Me,” The Greatest Showman

domingo, 10 de dezembro de 2017

European Film Awards 2017: Os Vencedores

Os prémios da Academia Europeia de Cinema - European Film Awards foram ontem anunciados. Mais de 3000 membros votaram e o grande vencedor da 30.ª edição foi O Quadrado, de Ruben Östlund. Fica a conhecer todos os premiados deste ano.


Melhor Filme
O Quadrado, de Ruben Östlund

Melhor Comédia
O Quadrado, de Ruben Östlund

Prémio Revelação - FIPRESCI
Lady Macbeth, de William Oldroyd

Melhor Documentário
Communion, de Anna Zamecka

Melhor Filme de Animação
A Paixão de Van Gogh, de Dorota Kobiela e Hugh Welchman

Melhor Curta-metragem
Timecode, de Juanjo Giménez

Melhor Realizador
Ruben Östlund por O Quadrado

Melhor Actriz
Alexandra Borbély em Corpo e Alma

Melhor Actor
Claes Bang em O Quadrado

Melhor Argumento
Ruben Östlund por O Quadrado

Melhor Fotografia – Prémio Carlo Di Palma
Michail Krichman, por Loveless

Melhor Montagem
Robin Campillo por 120 Batimentos Por Minuto 

Melhor Direcção Artística
Josefin Åsberg por O Quadrado

Melhor Guarda-roupa
Katarzyna Lewińska por Spoor

Melhor Caracterização
Leendert van Nimwegen por Brimstone - Castigo

Melhor Banda Sonora
Evgueni e Sacha Galperine por Loveless

Melhor Som
Oriol Tarragó por Sete Minutos Depois da Meia-Noite 

Prémio Carreira
Aleksandr Sokurov

Contribuição Europeia para o Cinema Mundial
Julie Delpy 

Melhor Co-produção Europeia – Prémio EURIMAGES
Cedomir Kolar

Prémio do Público
Stefan Zweig: Adeus, Europa, de Maria Schrader

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

LEFFEST'17: Q&A com Robert Pattinson

Foi no dia 25 de Novembro que Robert Pattinson esteve no Cinema Medeia Monumental para responder às perguntas dos fãs e apresentar o filme Good Time, de Benny e Josh Safdie, no Lisbon & Sintra Film Festival. Na noite anterior, o actor marcou presença no Centro Cultural Olga Cadaval, em Sintra, onde apresentou o filme Cosmopolis, de David Cronenberg.


Aqui fica um pequeno vídeo que regista o momento.

Estreias da Semana #302

Esta Quinta-feira, chegaram aos cinemas sete novos filmes.

120 Batimentos Por Minuto (2017)
120 Battements Par Minute
Início dos anos 90. Com a SIDA a ceifar inúmeras vidas nos últimos dez anos, os activistas da Act-Up Paris multiplicam as suas acções para lutar com a indiferença generalizada. Nathan, um jovem que se junta ao movimento, vê a sua vida transformada por Sean, um dos militantes mais activos.

24 Horas Para Viver (2017)
24 Hours to Live
Travis Conrad (Ethan Hawke) é um antigo soldado das forças especiais, devastado pelas recentes mortes trágicas da sua esposa e do seu filho. Quando o seu amigo dos tempos do exército Jim Morrow (Paul Anderson) lhe apresenta uma oferta, ele não pode recusar. Morrow trabalha para uma próspera e altamente secreta empresa, a Red Mountain, que contrata Travis para uma perigosa missão. Travis aceita a proposta, mas tudo começa a correr mal quando é alvejado por um agente da Interpol. Supostamente morto, Travis acorda numa sala de operações. O seu corpo foi submetido a um procedimento médico  experimental por parte da Red Mountain, que lhe dará apenas mais 24 horas de vida.

A Casa Torta (2017)
Crooked House
Quando o abastado patriarca grego Aristide Leonides morre em circunstâncias suspeitas, a sua filha Sophia implora ao detective Charles Hayward, seu ex-namorado, para de deslocar à propriedade da família. À chegada, Charles encontra três gerações da dinastia Leonides e um ambiente envenenado com amargura, rancor e ciúme. Numa casa repleta de motivos, pistas e suspeitos, conseguirá ele encontrar o assassino antes da próxima morte?

Derradeira Viagem (2017)
Last Flag Flying
Em 2003, três décadas após terem participado na guerra do Vietname, os antigos soldados Larry "Doc" Shepherd (Steve Carell), Sal (Bryan Cranston) e Richard Mueller (Laurence Fishburne) voltam a encontrar-se para uma missão diferente: enterrar o filho de Doc, um jovem fuzileiro morto na guerra do Iraque. Doc decide renunciar ao funeral militar no Cemitério de Arlington e, com a ajuda dos seus velhos camaradas, leva o caixão numa viagem agridoce pela Costa Este dos EUA até à sua casa em New Hampshire. Pelo caminho, Doc, Sal e Mueller recordam o passado e apaziguam as memórias partilhadas da guerra que continuam a afectar as suas vidas.

Leatherface: A Origem do Mal (2017)
Leatherface
Ainda adolescente, Jackson, a personagem que mais tarde virá a ser conhecida como Leatherface, foge de um hospital psiquiátrico com outros outros três pacientes, Bud (Sam Coleman), Ike (James Bloor) e Clarice (Jessica Madsen). Na fuga raptam Lizzy (Vanessa Grasse), uma jovem enfermeira, e levam-na numa viagem infernal enquanto são perseguidos por Hal Hartman (Stephen Dorff), um Ranger do Texas determinado e sedento de vingança.

Paddington 2 (2017)
Paddington encontra-se alegremente instalado em casa da família Brown, em Windsor Gardens, onde se tornou um membro popular da comunidade, espalhando alegria e doce de laranja onde quer que vá. Enquanto procura o presente perfeito para o centésimo aniversário da sua querida tia Lucy, encontra um livro raríssimo na loja de antiguidades do Sr. Gruber e empenha-se numa série de trabalhos estranhos para o poder comprar. Mas quando o livro é roubado, está nas mãos de Paddington e dos Brown descobrir quem foi o ladrão...

Wonder - Encantador (2017)
Wonder
Esta é a história de August Pullman, um menino que nasceu com uma deformidade facial. Sempre muito protegido e isolado da escola e das crianças da sua idade, Auggie torna-se no mais improvável dos heróis ao entrar pela primeira vez, no 5º ano de escolaridade, numa escola pública. O seu maior sonho, é que o aceitem. Nesta extraordinária viagem, Auggie vai tentar conseguir com que todos se unam pela mesma causa e provar que todas as crianças são únicas, especiais e nasceram com um dom encantador de se destacar, de amar e ser amados.

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Crítica: Good Time (2017)

"I think something very important is happening and it's deeply connected to my purpose." 
Connie

*9/10*

Benny e Josh Safdie continuam a consolidar-se como nova dupla de talentosos irmãos realizadores. Good Time trouxe-lhes maior notoriedade, mais ainda com Robert Pattinson como protagonista, num desempenho impressionante.

É curiosamente também a história de dois irmãos de Queens que Good Time acompanha. Tudo começa com um assalto falhado a um banco que coloca Nick (Benny Safdie), o irmão mais novo de Constantine "Connie" Nikas (Robert Pattinson), na prisão. Agora, Connie embarca numa retorcida odisseia através do submundo da cidade de Nova Iorque numa tentativa cada vez mais desesperada e perigosa de tirar o irmão da cadeia. Falta dizer que Nick tem um problema mental que Connie insiste em não admitir.


Good Time tem desde o primeiro instante um sabor agridoce que nos diverte, mas também nos comove. No final, saímos derreados com uma história tão carregada de emoções e realismo.

Connie faz tudo pelo irmão, mas é inconsciente e inconstante, com ausência de valores. Para si, tudo é válido para alcançar um vida melhor para o irmão, contra a lei, contra o socialmente aceite. Curioso é que ele parece realmente não perceber o quão errado está e que, na realidade, nada do que faz é benéfico para Nick. É ingénuo, "pobre de espírito", e usa os outros, sem querer efectivamente prejudicar ninguém. Ele é criminoso com um propósito de fazer o bem, ou assim o acha.


Assistimos a situações tão caricatas e inacreditáveis que vamos rir com a desgraça alheia. mas Good Time está longe de ser uma comédia. É um filme que magoa e nos aproxima das personagens. Nós que somos ainda mais impotentes que os dois irmãos. Dois homens que provavelmente nasceram na família errada, no local errado - neste caso, em Queens -, sem as possibilidades que teriam, provavelmente, noutro contexto social. Eis aqui a forte crítica socio-política de Good Time.

Robert Pattinson tem uma interpretação poderosa, camaleónica. É tão ingénuo como manipulador, infringe a lei e faz-nos acreditar - tal como ele próprio - que tudo é por um bem maior: o seu irmão. É curiosa a simpatia que nutrimos por um delinquente. Benny Safdie é outro grande talento do filme, na pele do frágil irmão.


Num ambiente nocturno, a fotografia de Sean Price Williams tira partido das cores e luzes, potenciando o ambiente instável e soturno que rodeia o protagonista, numa noite de excessos e situações caricatas.

Com Good Time, os irmãos Safdie criaram uma longa-metragem intensa e certeira. Através do humor, toca temáticas desconfortáveis, abala a plateia e fá-la reflectir. Um filme extremamente poderoso.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Sugestão da Semana #301

Das estreias da passada Quinta-feira, a Sugestão da Semana destaca Verão Danado, de Pedro Cabeleira. A crítica do Hoje Vi(vi) um Filme pode ser lida aqui.

VERÃO DANADO


Ficha Técnica:
Título Original: Verão Danado
Realizador: Pedro Cabeleira
Actores: Pedro Marujo, Lia Carvalho, Ana Valentim, Daniel Viana, Sérgio Coragem, Gonçalo Robalo, Cleo Tavares, Isac Graça, Maria Leite, Rodrigo Perdigão
Género: Drama
Classificação: M/16
Duração: 127 minutos